Domingo, 19 de Julho de 2009

Dia luminoso, lavado

Dia luminoso, lavado

Da janela larga, iluminada

Vejo a cidade bem perto

Tudo a nu, a descoberto

A mãe empurra com enlevo

O filho querido, desejado, amado

O amor, esse bem maior

É visível, é possível

Namorados abraçados ao sol

Entre beijos e desejos

Amigos, cumprimentos efusivos

Amizade invade a cidade

Dia luminoso, lavado

Da janela larga, iluminada

Vejo velhos vergados

Passos arrastados

O verão que se aproxima

Já passou por eles

O sol é refrigério

O sol esse mistério

Já nem os aquece

A alma ainda estremece

O corpo não obedece

E o que se esquece... esquece...

Dia luminoso, lavado

Da janela iluminada

Vejo gente, tanta gente que está só

A tristeza, a solidão lá estão

O rosto, o espelho da Alma

É triste não se acalma

E todo o esforço é vão

Dia luminoso, lavado

Da janela iluminada

Vejo crianças a correr, felizes

Correm saltam os petizes

Sorrio com aquelas brincadeiras

Com essas emoções tão verdadeiras

Dia luminoso, lavado

Dia harmonioso, encontrado.

tags:
Publicado por Isabel Sá Lopes às 21:06

Link do Post | Comente Este Post | Adicionar aos Favoritos
|
1 comentário:
De teresa oliveira a 9 de Dezembro de 2009 às 21:13
este poema é lindo.Parabéns professora

Comentar post

.Mais sobre Isabel Sá Lopes

.Pesquisar Neste Blog

 

.Recentes Declamações

. Eldorado - Edgar Allan Po...

. Um Sonho Noutro Sonho - E...

. A Vindima

. Dia luminoso, lavado

. Aliviai

. A propósito do Dez de Jun...

. Florbela espanta

. Tiquetaque

. Ondas

. Ladainha

. Mar e Fogo

. Retrato

. Outono

. Amizade

. Estou Cansado

. Dobrada à Moda do Porto

. Viajar

. Eu gosto da cidade.

. Ler, Mãe

.Arquivo

. Julho 2009

. Dezembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

.tags

. todas as tags

.Links

.Contador de Visitas

blogs SAPO

.subscrever feeds