Domingo, 19 de Julho de 2009

A propósito do Dez de Junho

Camões poeta

O nosso tão esteta

O épico, o lírico divinamente

O artífice desconhecido diariamente

Foste atirado à Índia

Deportado, arrancado a Portugal

Amaste o teu país

Em verso e em reverso

Foste muito infeliz

Em destino pátrio e diverso

Ofereceste a tua alma épica

Ao teu Rei e País

E a sorte não quis

Que te elevassem em vida

Morreste na miséria e fome

Às portas de Lisboa

E o que mais me magoa

É ver as gerações de jovens

A cortar teus versos

Dividir orações

Sem sentirem as fundas emoções

Da tua alma alta

Perderem-se no curso

Do discurso gramatical

Sem se deterem no essencial

A Arte, a Poesia

Que contagia e inebria

Perdida, desperdiçada

Tão mal amada

Camões poeta

Lembrado a dia dez

Ó Portugal, desperta!

Agarra no teu Vate

Diz o seu verso, a sua arte

Ser Português

Seja ler Camões

Conhecê-lo

Citá-lo

Falar dele

Dar a conhecer ao mundo

Mestre tão profundo

Representar a sua obra

Que em tanta filigrana se desdobra

Portugal

Em Camões insista

Ser Português, seja ser Camões

Ser Português, seja ser artista.

 

 

tags:
Publicado por Isabel Sá Lopes às 20:23

Link do Post | Comente Este Post | Adicionar aos Favoritos
|
1 comentário:
De teresa oliveira a 9 de Dezembro de 2009 às 21:34
Tal como a Senhora, também o nosso professor de Literatura insiste em estudar-mos a Poesia de Camões. Obrigada por este poema

Comentar post

.Mais sobre Isabel Sá Lopes

.Pesquisar Neste Blog

 

.Recentes Declamações

. Eldorado - Edgar Allan Po...

. Um Sonho Noutro Sonho - E...

. A Vindima

. Dia luminoso, lavado

. Aliviai

. A propósito do Dez de Jun...

. Florbela espanta

. Tiquetaque

. Ondas

. Ladainha

. Mar e Fogo

. Retrato

. Outono

. Amizade

. Estou Cansado

. Dobrada à Moda do Porto

. Viajar

. Eu gosto da cidade.

. Ler, Mãe

.Arquivo

. Julho 2009

. Dezembro 2008

. Setembro 2008

. Julho 2008

.tags

. todas as tags

.Links

.Contador de Visitas

blogs SAPO

.subscrever feeds